JULGAMOS A BARBÁRIE DO HOMEM SELVAGEM E NOS CEGAMOS PARA A NOSSA: A VISÃO CRÍTICA DE MONTAIGNE A RESPEITO DO HOMEM EUROPEU DE SEU TEMPO

Por Juliana Vannucchi

Michel de Montaigne (1533-1592) foi um dos mais célebres pensadores franceses. Sua obra magna chama-se “Ensaios” e foi publicada pela primeira vez em 1580, na cidade de Bordeaux. Nela, o filósofo medita sobre diversos temas, como a morte, o medo, a solidão, a consciência, a idade e várias outras abordagens. E dentre tantas reflexões, uma das mais interessantes feitas por Montaigne ao longo desse precioso livro é a respeito dos canibais que, no caso, são os índios brasileiros. Na época desse escrito, a Europa vivia o deslumbre e as diversas consequências das descobertas e da colonização dos novos continentes, entre os quais se encontrava a França Antártida, uma colônia francesa localizada na Baía do Rio de Janeiro. Montaigne teve contato com um viajante que viveu no “novo mundo” durante cerca de dez ou doze anos.

Em várias passagens de seu texto sobre os índios brasileiros, Montaigne denuncia a hipocrisia dos europeus ao notar que a civilização europeia é, na realidade, menos “civilizada” e mais “selvagem” do que os indígenas, condenando e discordando do julgamento que o homem europeu faz dos índios. Nesse contexto, ele menciona, por exemplo, que os maiores esforços feitos por parte do homem civilizado não chegam sequer perto das proezas e belezas que surgem espontaneamente da natureza. Nesse caso, não haverá, portanto, prédio, casa, arranha-céu, praça ou qualquer outra obra arquitetônica humana que se aproxime da beleza que a natureza nos fornece: uma pena, pois, como sabemos, estamos cada vez mais perdidos em labirintos urbanos e nos distanciamos mais e mais das belezas provenientes da natureza, para as quais mal sobram espaços no mundo atual, que as sufoca com seus concretos e cores cinzentas.

Montaigne analisa com certa cautela as divergências culturais existentes entre os europeus e os canibais, fazendo o seguinte comentário em relação à questão da barbárie, que foi um dos traços indígenas que mais chocou os seus contemporâneos: “Cada um chama de barbárie o que não é seu costume”. A esse respeito, Montaigne também ressalta que o povo dessa nova nação descoberta é chamado de selvagem no sentido de serem tal como “os frutos que a natureza produziu por si mesma e por seu avanço habitual; quando na verdade os que alteramos por nossa técnica e desviamos da ordem comum é que deveríamos chamar de selvagens”. (2017, p.145). Os índios são, portanto, enaltecidos por viverem num estado de pureza, simplicidade e ingenuidade e Montaigne faz aqui uma sábia “inversão”: “selvagem” é uma palavra empregada para referir-se aos homens mais naturais, enquanto, segundo o filósofo, deveria ser utilizada para descrever o homem artificial que, no caso, segundo ele, seriam seus contemporâneos. Levando esse trecho em conta, podemos, certamente, perceber que somos cada vez mais selvagens e que estamos nos devorando uns aos outros nesse estado primitivo de descontrole com o qual convivemos intimamente ao redor do mundo.

Com base em relatos que chegaram até o filósofo, ele comenta alguns aspectos descritivos de enorme valor histórico em relação aos índios: “Estão instalados ao longo do mar e cercados do lado da terra por grandes e altas montanhas, tendo entre os dois uma extensão de cerca de cem léguas de largura”. (2017, p147). Infelizmente, tanto a bela paisagem descrita nessa passagem como tantas outras que já compuseram a exuberância de nosso país já não são as mesmas, pois, ao que tudo indica, as obras da natureza não interessam muito para a pequena elite que ocupa o topo da pirâmide social. Natureza não gera lucro e não move a economia. Em breve, pelo visto, esse tipo de descrição de paisagens ficará restrito aos livros, pois a guerra travada contra a natureza tem sido uma realidade avassaladora e parece que o homem não pretende propor trégua: ele quer continuar destruindo.

Montaigne diz também que tomam uma bebida feita de raiz, fala que dançam durante todo o dia, que sustentam a crença de que a alma é eterna e de que existem vários deuses. No “novo mundo”, a poligamia, isto é, ter mais de uma esposa, é uma prática normal e quanto mais bravura possui um homem, mais mulheres tende a ter. Portanto, a quantidade de companheiras está intimamente relacionada com a virtude. Montaigne também comenta que a base moral dos índios é especialmente pautada na valentia, que deve ser prezada e mantida durante a guerra e na amizade que os homens nutrem por suas mulheres. Segundo o filósofo, a guerra, aliás, tem enorme importância para os índios que se mostram sempre preparados para enfrentá-la com bravura: “Eles não sabem o que é fuga e pavor”. (2017, p.149). Outro ponto muito interessante do livro é quando Montaigne conta que os prisioneiros de guerra são assados e comidos, e alguns de seus pedaços são enviados para as pessoas que estão ausentes. Nesse ponto, porém, ele ressalta que os métodos de tortura praticados pelos descobridores desse novo mundo são bem piores do que isso, mais dolorosos e cruéis e diz que: “… podemos muito bem chamá-los de bárbaros com relação às regras da razão, mas não com relação a nós, que os ultrapassamos em toda espécie de barbárie”. (2017, p.151). Há uma reflexão valiosa em relação a isso: os índios comem seus inimigos quando estes já estão mortos, mas o que dizer dos europeus que torturam e tiram vidas de maneiras lentas? De qualquer forma, embora o canibalismo praticado pelos índios possa causar reprovação, de maneira sagaz e deveras provocativa, o filósofo comenta: “Não fico triste por observar o horror barbaresco que há em tal ato, mas sim por, ao julgarmos corretamente os erros deles, sermos tão cegos para os nossos”. (2017, p. 150). Se Montaigne fez essa reflexão há tanto tempo, imaginemos o que não pensaria dessa tirania e dessa violência que se encontram espalhadas no mundo inteiro, reinando em nossos tempos atuais. E, infelizmente, continuamos cegos para as nossas próprias barbáries. Não houve, de modo geral, muito avanço nesse sentido – talvez possamos até mesmo falar em retrocesso. E quantas vezes não se justifica a tirania sob o nome da justiça? Vide os ignorantes que compactuam com a DITADURA militar, chamando o GOLPE de revolução. Podemos pensar também no neonazismo, que ganha cada vez mais força e espaço no Brasil. Ou seja, aparentemente, todas as atrocidades desumanas provenientes do período da ditadura e do nazismo, dentre tantas outras, não foram suficientes para que todos abrissem os olhos para os erros que o homem comete. Pelo contrário: aplaude-se e clama-se para que o erro se repita! E Montaigne estava certo, pois nós, os “civilizados”, de fato, cometemos todo tipo de barbárie e horror.

Esse ensaio de Montaigne carrega em si um valor histórico de imensa relevância em relação à cultura indígena. Mas ele consiste em muito mais do que apenas descrições de cunho histórico, apresentando reflexões profundas e questionamentos diversos sobre a cultura, sobre as categorizações precipitadas que fazemos em relação a ela, e sobre o comportamento humano. Ademais, através do texto, Montaigne ataca com brilhantismo e enorme perspicácia a hipocrisia e a ignorância de seus contemporâneos.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:

MONTAIGNE, Michel de. Os Ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.